terça-feira, 6 de setembro de 2011

Poemas de um homem vazio de átomos metafísicos



Vou ficando só.
Os dentes encardidos de vinho.
Cada vez menos sentido na vida, percebo.
Vou ficando só.
Os dentes amarelados.
Não há caminhos. Todos se foram.
Não sinto saudades.
Mas não quero ficar só.
Sinto-me fracasso.
Mais um dia vem; pra que?
Só eu gosto do som sincopado do piano na música que ninguém mais ouve.
Coisas simples, como eu e você, parecem impossíveis, garota.
Gero insatisfação nos outros.
Não há chuva.
Os cães latem silenciosamente à passagem da chuva.
Quem inventou a ortografia?
Por que alguns vinhos são azedos?
A lua na poça da chuva não é minha.
nasci no meio do percurso do rio. Nada do que faço é novo.
Posso me suportar quando bebo algumas doses de vinho.
Sonho.
Penso que sou legal.



7 comentários:

  1. Se sentir só não é de bom tom.O velho Buk diria que ser só significa que outra pessoa pode resolver os seus problemas.

    ResponderExcluir
  2. é, aí a coisa pega, meu velho. eh eh eh

    ResponderExcluir
  3. Os cães choram,os poetas choram,o vinho azeda mas
    a vida continua enquanto o cortejo passa...Então
    brindamos meu chapa!E bebamos o bom vinho a boa
    cerva e devoramos as belas mulheres enquanto o coração pulsa e o bicho fica de pé.eh eh eh!

    ResponderExcluir
  4. enquanto houver ereção haverá vida, o sentido da vida, a condição humana...


    mas depois dos 50, não confie num pum; eu ainda tenho 45

    ResponderExcluir
  5. O velho Hank comenta que a solidão é como uma sombra de uma árvore em dia de sol, e que é mais fácil ser poeta que homem, pois a verdade é aborrecida.

    Acerta em tudo o poeta paulista.

    ResponderExcluir
  6. a verdade é aborrecida e pode ser televisionada, para desespero e fatalidade de todos nós...

    ResponderExcluir
  7. na solidão do velho hank não há espaço para ausência das mulheres; tô lendo mulheres, o último que me falatava, dos romances.

    a solidão é fera, e faz nossos relogios caminharem lentos, nos dá posse de eternidade.

    a solidão é música...é a única hora sem náusea..eh eh eh eh

    os poemas de 'passos de um homem vazio' eu escrevi em 2000; vou colando aos poucos no blog...uns poucos valem ainda, outros caducaram...

    tons lupinos na lua cheia

    ResponderExcluir