domingo, 18 de agosto de 2013

Buzz Lightyear



Infelizmente nossa ‘era’ confunde a figura do filósofo com a do Conselheiro Acácio, um personagem da obra, O primo Basílio, de Eça de Queirós. Segundo a Wikipédia: ...esta figura fictícia tornou-se célebre como representação da convencionalidade e mediocridades dos políticos, burocratas e filósofos dos finais do séc. XIX, sendo até à atualidade utilizada para designar a pompa balofa e a postura de pseudo-intelectualidade utilizada por muitas das figuras públicas. Deu origem ao termo ‘acaciano’, designação utilizada para tais figuras ou para os seus ditos.
A filosofia acaciana é habitada por uma série de papagaios hermeneutas, capazes de citações sobre o quê disseram Sócrates, Platão e Aristóteles, — santíssima trindade da filosofia convencional —, sobre fatos ocorridos aos filósofos, em geral, e o que disseram sobre eles, alguns outros autores de textos sobre filosofia. É como estar diante de um catálogo de páginas amarelas de serviços, não de sabedoria. São esses mesmos ‘Acácios’ que elevam alguns pensadores ao status de verdadeiros e imprescindíveis e determinam que outros devam habitar o limbo, como no caso de Marx, banido por gente que não produziu nem 1%, em termos filosóficos, da obra do crítico maior do capitalismo.
A quem interessar possa, o filme Toy History I traz uma cena extraordinária sobre o significado de conhecer o mundo e a si mesmo. Buzz Lightyear, herói espacial, que tem a missão de exterminar o malfeitor Zurg e proteger a galáxia, descobre o significado de sua existência. Desde que foi retirado de sua caixa (ventre) e que seu cérebro começou a ‘funcionar’, ‘acreditava’ que sua missão era sua essência e que seus poderes, indicados num manual, o livro máximo da ‘verdade’, o constituíam como a plenitude do que é o ser. Um ‘Ledo e Ivo engano’ temperado pela ausência de consciência sobre si mesmo
Buzz demora, mas tal qual Zizek, entende o ‘significado’ das coisas. Tem uma revelação diante da tela de um aparelho de televisão. Assiste ao comercial que o localiza no mundo, que revela seu papel e desnuda seu ‘ser-em-si’. A partir daquele exato instante, passa a conhecer a si mesmo de maneira integral e inquestionável: ele é só um brinquedo manipulável. O choque entre a idealização de si mesmo e a dura realidade o projetam numa vertigem (náusea) e o colocam no mesmo patamar de um Lennon. Buzz conclui, diante de si mesmo estampado no comercial da TV: “...the dream is over”.
A questão principal do Conhecer a ti mesmo não é o fato possibilitar a criação de uma descrição, um perfil, uma imagem virtual-moral de nós mesmos, mas sim de entendermos qual é o significado de conhecermo-nos a nós mesmos e de maneira crítica e ética. Mais fácil escrever uma obra como a dos Beatles do que sermos éticos com a própria auto-análise. — Singer, meu irmão que estava perdido no mundo e à casa torna, sabe que não estou falando de culpa, nem de desejos frustrados.
É por isso que admiro Buzz Lightyear, capaz de caminhar em direção à maturidade filosófica e suportar os sintomas de decepção e tristeza, — ele nunca foi o que pensava ser —, mas se torna senhor do próprio destino quando entende o quê significa ser Buzz Lightyear no mundo. ‘Afora todos os sonhos’, somos todos um tanto quanto Buzz Lightyear: temos um manual implícito, o DNA; lemos em nossos livros, escritos por nós mesmos, o que é a verdade e nos imaginamos muito maiores do que realmente somos. Se houver coragem suficiente para duelarmos com a vaidade, — essa nossa alma gêmea que vem ‘em anexo’ —, e vencermos, começaremos a entender o significado de nós mesmos no mundo.
Entre uma palestra dos Conselheiros Acácios da vida e uma gota de silêncio que precede o mergulho de um sapo num lago de uma floresta qualquer, prefira o filosofar anfíbio. Afinal, viemos da água ou da terra? Depois tente entender o que significa poder responder tal questão.      

5 comentários:

  1. Os livros da África para download tem no link em azul, só clicar no "Baixe aqui no Antigoegito.org"

    ResponderExcluir
  2. Bela Crônica...Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

    ResponderExcluir
  3. buzzumbis pelo mundo afora...a verdade vos libertará...

    ResponderExcluir