segunda-feira, 30 de setembro de 2013

As ‘Olavetes’




O Brasil já se igualou aos países do chamado primeiro mundo em vários aspectos. Um deles é na quantidade de falsos intelectuais que fazem a cabeça de gente que não tem a própria. Antigamente, quando exposta a insipidez do raciocínio do ‘anencéfalo’, atribuía-se a ela a função exclusiva de portar chapéus. Com o decorrer da modernidade digital, a alcunha transmutou-se para ‘cabeça-de-bagre’; hoje podemos chamá-los de orcs, trolls, tucanos, filhotes de bolsonaros, malafaites, infelicianos, olavates e derivados.
As olavetes, especificamente, são os seguidores do ‘filósofo’ Olavo de Carvalho, que prega, entre outras bobagens, que toda esquerda política deve ser ignorada e até exterminada, porque faz raciocínios generalizantes. Exatamente com ele o faz ao definir a esquerda. E mais: usa e lambuza de conceitos antropológicos quando afirma, por exemplo, que não existe a homofobia. Rebaixa a Filosofia ao nível teológico ao dizer que, esse mundo é um rascunho, — que Platão o perdoe — , de algo maior. ‘Em suma’, é a própria essência do pensamento conservador que ainda dá sustentação a melancólicos episódios da História do Brasil, como o golpe de 1964, e a manutenção da ditadura à base de porretes. Até Dostoievski se torna um anão literário diante da interpretação empobrecida do ‘filósofo’ sobre o escritor russo e a finalidade de sua obra.
Claro, discordo em gênero número e grau dessa baboseira conservadora e da marcha ruminante das olavetes na busca pelo poder e pelo monopólio do saber e pelo ansioso desejo da posse exclusiva da crítica intelectual ao mundo que nos rodeia. Em analogia, Olavo & suas olavetes habitam um latifúndio improdutivo, recheado de sectarismos e propenso a um flerte perigoso, e não menos asqueroso, com as concepções totalitárias do nazifascismo.
Cuidado leitor, não caia nessa de que todo remédio contra o petismo, o chamado anti-petismo, tenha soluções exclusivamente conservadoras e de extrema direita. É possível ir além do PT com mais democracia, mais inclusão, mais tolerância, mais liberdade, mais espaço para a arte, com mais subversão, com mais liberdade sexual e não o oposto, que é a militarização do pensamento como oposição unicamente possível, em nossa política atual.
Sem liberdade, subversão e democracia não teríamos a evolução da arte. Não teríamos Pink Floyd, Van Gogh, Pissarro, Led Zeppelin, The Beatles, Villa Lobos, Guimarães Rosa, Miles Davis, Miguelangelo e mais uma diversidade de produções artísticas. Diversidade, não uniformidade. O bom e velho Nietzsche já dizia que quanto mais Estado, menos Arte. Mas muita gente não entende que quanto mais o Estado vier a se moldar em nossas vidas de indivíduos, mais livres seremos; o oposto é o Totalitarismo. — Quase ninguém entende Nietzsche. Normalmente são os mesmos que não entendem o ENEM.
Mas a pergunta a se responder é: que tipo de indivíduos somos? Nenhum e todos, somos diversos. É justamente aí a importância de um governo popular que, através da legislação e da implementação de programas sociais contínuos, vai destruindo os conceitos fascistas enraizados no senso comum conservador e vai derrubando o último altar das viúvas dos Estados Capitalistas Totalitários: a meritocracia.
A meritocracia é imposta aos pobres e miseráveis como a única maneira de evoluir na vida. Imagine por um momento, os porta-vozes do conservadorismo: Veja, Folha de São Paulo, Globo, Estadão e outros similares sem o Bolsa Imprensa. Sem os milhões que recebem do Estado como propaganda obrigatória. Uma lei criada em tempos de mídia impressa, eu sei, e de canais exclusivamente alcançados por concessões estatais.
A internet, com seus blogs, jornais, mídia ninja, redes sociais e you tubes da vida, pode nos fazer economizar um dinheirão público. Afinal, por que alimentar empresas como a Globo, a Abril e outros que vivem de maneira muito pouco ‘meritocrática’ em tempos de informação digital? Sim são mistérios que as olavetes, e menos ainda as ‘azevetes’, seguidoras de Reinaldo Azevedo, podem explicar.   

2 comentários:

  1. Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu! Salve...Salve! O Indignado e correto poeta Sávio...

    ResponderExcluir