quinta-feira, 30 de abril de 2015

O outono verde claro



           A palheta pálida e pastel do outono combina comigo. A frequência sincopada das coisas, o vento, o sol na medida certa, nenhum escândalo luminoso, menos ainda uma apologia à escuridão; e o dente-de-leão suporta o vento e a garoa. Escuto as vozes dos mortos num túnel de eletricidade dentro de meu cérebro. São só enzimas, eu sei, mas me dizem que eu preciso deixar de pensar nas coisas, porque coisas são só coisas. Sei perfeitamente que é um conselho inútil. Os mortos somos todos nós amanhã. Por que seríamos confiáveis a ponto de aconselharmos corretamente quem está docemente perdido na vida?
Não, não me encontrarei pra que possa me conhecer melhor. Isso seria trágico por demais. Estou indo mais à frente de mim mesmo pelo caminho para avisar aos outros que não virá mais ninguém. Se persistirem em “quem está vindo?”. Responderei que, “ Entendam, ninguém me segue! Nem eu mesmo me sigo”.
Nietzsche, quando entrou na Capela Sistina, viu a beleza outonal dos desenhos de Miguelangelo, o cristianismo mais pagão do mundo; ele entendeu o que disse o artista: nenhuma teologia ou metafísica podem se manter sobre corpos tão alheios ao todo. As peles de palidez rosáceas leves dançando diante dos pecados trancafiados nos corpos dos patéticos fiéis que a tudo julgam, comungam e se penitenciam, são um chamado do outono. Aquele que souber ouvir, que ouça o outono pálido de Miguelangelo.
Tudo se dissolve na impressão dos desenhos do outono. O verde do campo é céu também, onde a linha do horizonte derrete tudo. Olhar o mundo através de um copo de champanhe, ou de vinho rose. o aroma do pão de queijo demora mais no ar, forma pássaros, castelos, terras ermas, olhos de duendes sagazes. A densidade do cappuccino é um confortável paraíso vesperal que se espera alcançar todos os dias.
À noite, a lua crescente ilustra a diáspora das nuvens que interpretam o tempo, uma bela peça de teatro encenada no céu. Quanto mais as vemos correr, voar, saberemos que a morte está por vir. Ela baterá à porta e estaremos ouvindo música, olhando as nuvens. Mas se ela souber que a canção de inverno ainda não foi feita, ela se sentará placidamente à mesa com a sopa da noite servida e dirá que anda pensando seriamente em cometer um suicídio para se transformar em algo humano. A morte, quando morrer, seu espírito há de se transformar num homem que toca violão e canta pra lua, e que jamais desejará matar alguém.
Posso me sentir mal, me sentir bem, afinal a roda da vida é como o moinho de vento de Van Gogh que ilustra bem a paisagem e suporta o sol, o vento, a noite e a chuva. Gosto de olhar o regato que segue ao meu lado. Vou escrever os nomes das melhores pessoas do mundo no corpo do rio, uma escultura efêmera, um deixar fluir pelo mundo para que se sintam livres. Vou dançar um rock pelas almas que ainda sonham com mundo melhores, com aqueles que caem nas calçadas com a alma lotada de cachaça. Vamos seguindo, olhando em frente, sabendo que os olhos não nos enganam, menos ainda o outono com sua palheta em tons pastéis.        
   

   

3 comentários:

  1. Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu! Muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Um epíteto dessa que vos fala, nas margens desse rio que flui, escreva solenemente... minh'alma anseia pela sensação.

    ResponderExcluir
  3. com certeza. o rio sempre flui. abraços

    ResponderExcluir